quarta-feira, 16 de março de 2016

Silêncios que matam inocentes

Quando a imagem que aqui reproduzo, retirada do magnífico filme de Spielperg - A Lista de Schindler - foi vista por milhões de espectadores em todo o mundo, muitos atribuíam à mesma o valor de um exagero, de um exercício de ficção do realizador, quanto aos acontecimentos descritos no seu filme.




Volvidos quase 60 anos sobre a matança dos judeus forçados ao degredo e aos campos de concentração e de morte que Spielperg retrata e denuncia de forma magistral neste seu filme, a imagem da criança refugiada, ela própria obrigada como a outra a fugir à destruição, pilhagem e morte que as potências imperialistas infligiram ao seu país, demonstra bem que num e noutro dos episódios não existe ficção.



O capitalismo, o imperialismo matam! E, quando não matam, atiram para a indignidade, o sofrimento, a miséria e a fome, os povos! Pior do que isso, uma comunicação social vendida aos senhores do capital, anestesia a chamada opinião pública ao ponto de uma parte considerável dos povos da Europa estar a ser formatada no preconceito xenófobo de que as vítimas são algozes e, em última análise, responsáveis pela sua condição.

Caso para nos questionarmos se o que não compreendemos em 1943, nos passará ao lado em 2016! Vamos tapar de novo os olhos e os ouvidos e calar as nossas vozes de denúncia, protesto e luta contra esta situação?

2 comentários:

  1. A proxima do capitalismo que esta em estudo e abolir o dinheiro fisico .Apenas se podera usar dinheiro electronico para melhor controlarem .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O dinheiro electrónico é como a invenção das notas, ou mais tarde a criação dos cheques.
      O que no fim do século XVIII, foi uma enorme invenção foi o uso do crédito, na Holanda.

      (uma moeda é apenas uma maneira que o estado, mostra a dizer quanto ouro é que tem).

      Os cartões visa, não são mais do que uma maneira do inquilino pagar o terreno utilizado, de modo a semear Tulipas, essa flor.
      Sete anos de boas colheitas, mas ao oitavo ano as colheitas correm mal, e então os inquilinos ficam sem nada.

      Eliminar