quarta-feira, 20 de julho de 2016

Burguesia pró-imperialista e suas muletas pretendem isolar e aniquilar Arnaldo Matos!

O meu camarada Arnaldo Matos assinou recentemente três artigos que repõem a perspectiva marxista-leninista quanto à análise e caracterização do imperialismo e de como a mundialização da guerra que este tem estado a impôr leva a uma cada vez maior resistência - http://www.lutapopularonline.org/index.php/editorial/1996-resistencia-nao-e-terrorismo - à ocupação e agressão imperialistas em todo o mundo.
Com a coragem e inteligência que sempre lhe foi reconhecida, denuncia de forma clara o imperialismo e desmonta os argumentos de oportunistas de todos os matizes que, quer a nível externo – caso de uns auto-intitulados marxistas-leninistas maoístas da França e da Bélgica –, quer a nível interno – em que se destacam os elementos da corrente liquidacionista encabeçada pela dupla Conceição/Garcia Pereira, até ao BE e PCP, passando pelos trotsquistas do MAS -,  classificam a resistência ao imperialismo como terrorismo http://www.lutapopularonline.org/index.php/editorial/1995-nice-ataque-com-camiao

Nestes dois artigos, o meu camarada Arnaldo Matos conclui, por um lado, que a acção do governo português, ao prestar-se a enviar mercenários para vários dos cenários de guerra impostos pelos imperialistas, tropas mercenárias portuguesas, potencia fazer do nosso povo e do nosso país um alvo dessa resistência, tal como sucedeu em Nova Iorque, Paris, Madrid ou Nice.

Ao povo português cabe denunciar e opor-se a essa possibilidade! Aos marxistas-leninistas, compete organizar essa luta e preparar as condições para opor a Guerra do Povo à Guerra Imperialista, como preconizava  Mao.

Se nestes dois artigos o meu camarada Arnaldo Matos evidencia os factos objectivos que levam a caracterizar a situação em França como o de uma guerra cívil larvar, já no texto http://www.lutapopularonline.org/index.php/internacional/1997-o-proletariado-e-o-terrorismo-de-estado-americano, demonstra de forma magistral o terrorismo de estado praticado pelo governo dos EUA e de como “...não são os negros que são visados pelos assassínios policiais, mas os resistentes, os proletários em cólera. É a classe operária que é a visada pelo terrorismo de Estado do imperialismo ianque, e mais ninguém…”.

Ao denunciar de forma clara e sem rodeios que são os imperialistas que atacam, invadem, pilham e massacram os povos e que estes, ripostam, cada vez mais, no covil onde estes se escondem, isto é, nos países que promovem a agressão imperialista. Ao evidenciar que só se pode classificar de terrorismo de estado a agressão e eliminação física de operários como estão a ser praticados numa das maiores potências imperialistas, os EUA – e que estas agressões e assassinatos nada tem a ver com questões de racismo -, claro está que a burguesia e as suas muletas ditas de esquerda elegem o meu camarada Arnaldo Matos como seu inimigo principal e ensejam manobras para o isolar e para, eventualmente, justificar a sua prisão ou mesmo eliminação física.

Nós, marxistas-leninistas não confundimos efeitos por causas. Nós, marxistas-leninistas, embuidos da premissa do internacionalismo proletário e da consigna “Proletários de Todos os Países, Povos e Nações Oprimidas do Mundo, Uni-vos!” compreendemos as razões pelas quais se organiza a resistência dos povos que são vítimas do massacre, pilhagem, invasão e humilhação, levados a cabo pelas diversas potências imperialistas, que choram os seus mortos de forma profusa, ao mesmo tempo que – impondo critérios jornalísticos manipuladores- escondem as centenas de milhar de assassinatos produzidos pelas suas tropas mercenárias e pelas suas bombas no Afeganistão, no Iraque, na Síria, na Líbia, no Mali, etc.

O caminho para a classe operária e para os trabalhadores portugueses não pode ser o de apoiar as suas burguesias contra aquilo que elas classificam de terrorismo sempre que encontram resistência dos povos – como sucedeu no Vietname, nas ex-colónias portuguesas, etc.

O caminho para a classe operária e para o povo português, para os democratas e patriotas, é, desde logo, denunciar a campanha de cerco e aniquilamento que está a ser gizada pela burguesia contra o meu camarada Arnaldo Matos, ao mesmo tempo que se organiza e prepara para opor, também em Portugal, a Guerra do Povo à Guerra Imperialista.


6 comentários:

  1. Artigo bem estruturado e muito oportuno. Parabéns e um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela apreciação e um grande abraço de amizade para ti também!

      Eliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Excelente texto que põe a nu as intenções do capital e dos seus lacaios liquidacionistas garcia conceição e restante quadrilhas contra o trabalho e os povos na visão esclarecida do maior Marxista Leninista Português.

    ResponderEliminar
  4. Estamos aqui para o que der e vier... sem medos... Uma vez mais obrigado pelo excelente texto

    ResponderEliminar
  5. Excelente. Um por todos, e todos por Um.

    ResponderEliminar