domingo, 16 de outubro de 2016

Visita à Maria de Lurdes na prisão de Tires revela sinais de sentido contrário


Ontem, sábado, foi dia de visita à Maria de Lurdes. Um dos dois dias em que só são permitidas 2 ou 3 visitas e por um limitado período de tempo – 1 hora!

A comprovar que a Liberdade para a Maria de Lurdes poderá ser uma luta prolongada e, sobretudo, tem de ser levada a cabo com paixão e inteligência, está o relato do que ontem aconteceu.

Apesar da vaga de fundo que as diferentes acções que têm estado a ser levadas a cabo provocaram – Petição, artigos em jornais de distribuição nacional, regional e internacional, intervenções em programas de televisão de grande audiência, etc. – está a levantar, fomos confrontados com decisões tomadas no âmbito prisional que emitem sinais contraditórios.

Por um lado, dois dos elementos do grupo,  que a Maria de Lurdes assegurou constarem da lista de visitas autorizadas por ela, e que entregou à “educadora” nomeada para a acompanhar, foram barrados com o argumento de não constarem da dita lista.

Mas, por outro lado, a Lurdes foi mudada de cela, depois de, segundo palavras suas, ter sido, durante “quatro dias de inferno, de sábado a terça à tarde” forçada a partilhar uma cela duas reclusas perigosas. As suas colegas de cela diziam que lhe partiam as mãos se ela tocasse na televisão e até a quiseram impedir de tomar banho.

Certamente devido à repercussão que a denúncia das reais causas da sua situação estão a criar na sociedade, ao fim desses quatro dias, a própria directora assumiu o processo e mudou-a de cela e de ala. Depois de uma conversa entre as duas, a Maria de Lurdes está agora numa cela só para si e a recuperar das três noites sem dormir que passou naquele inferno.  A Maria de Lurdes ficou feliz, como é compreensível,  com o facto de poder descansar em paz.

A comoção que o caso da Maria de Lurdes está a provocar na sociedade parece ter provocado um surto de humanismo entre o corpo de guardas prisionais e a própria direcção da Cadeia de Tires. O ambiente, que inicialmente passava pela provocação mais rasteira – como, por exemplo, ameaças veladas de que “lá dentro” se encarregariam de a “quebrar” – passou a ser menos tenso.

Exemplo disso pode inferir-se de um episódio que ocorreu muito recentemente. A Lurdes actualmente só se veste de branco, integralmente! E,  uma das guardas perguntou-lhe: “então Lurdes só se veste de branco?”, ao que ela retorquiu: “e a senhora não se veste só de azul?”, e a guarda respondeu: “mas isto é a minha farda”, ao que a Lurdes rebateu, com risadas de ambas: “ mas isto é a cor dos inocentes”. A Lurdes consegue, porque não é – ao contrário do que o aparelho judicial quis fazer crer  - uma psicótica, provocar uma empatia e concitar a simpatia.

Mas, se uma guarda prisional lhe diz para ir ver a televisão porque ela está a aparecer no programa da Fátima Lopes, “A Tarde é sua”, e que, em querendo, até pode ter uma televisão de 20” na sua cela, tal deve ser atribuído, em grande medida, à crescente adesão do povo português ao reconhecimento de que ela foi vítima de uma enorme injustiça, que configura um monumental erro judicial, e à pressão que vastos sectores da sociedade estão a fazer para que a Maria de Lurdes seja posta em liberdade.

Está agendado para esta próxima segunda-feira o contacto com um dos elementos da direcção da prisão – já identificado - para esclarecer o que aconteceu à lista de visitas que a Maria de Lurdes entregou. O certo é que, tanto o João como o Luís - e outr@s eventuais visitantes - não poderão, desta vez - terça-feira -, ser impedidos de visitar a Maria de Lurdes para lhe dar o seu apoio moral. Se isso acontecer, teremos de concluir, então, que a senhora directora não tem o controlo do estabelecimento prisional que dirige e que a arbitrariedade reina naquela estrutura.

Liberdade para a Maria de Lurdes!


7 comentários:

  1. Infelizmente tenho de concordar com os que sentem que demasiadas leis contrariam a constituição, resultando na prática, na perseguição e subtração das liberdades conquistadas no 25 de Abril...

    ResponderEliminar
  2. A luta pela libertação de Maria de Lurdes continua...

    ResponderEliminar
  3. Até podem pintar a prisão de cor de rosa, mas tal não anula nem diminui a injustiça praticada por este sistema, de que a directora de tires é correia de transmissão. ela agora faz o papel de policia bom, mas este regime só tem policias obedientes ao sistema de exploração, de que são guardiões.

    ResponderEliminar
  4. Aceito um contacto para efeito da Libertação imediata desta
    Senhora de nome Maria de Lurdes Lopes Rodrigues !
    Engº Costa e Sousa , João

    ResponderEliminar
  5. eu acho que voces nao tao bem da cabeça. eu conheci a senhora em tires e garanto que ela ou entra nas normas ou nao vai correr bem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só os cobardes se escondem por detrás do anonimato para defenderem "opiniões"!
      Quando quiser dar um nome e um rosto à miserável, obtusa e reaccionária provocação que vomitou, eu próprio, em nome da senhora em causa e do Grupo LPML, dar-lhe-ei a resposta que merece.

      Eliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar