quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Nem agua mole nem pedra dura...a dívida é impagável!

O Banco de Portugal divulgou esta 4ª feira, 01 de Fevereiro de 2017, que a dívida pública portuguesa, em Dezembro de 2016 se situou nos 241,1 mil milhões de euros, isto é, registou, durante o ano transacto, um aumento de 9,5 mil milhões de euros!

Já em plena ressaca da aprovação, na generalidade, da Lei do Orçamento para 2016 apresentada por António Costa e o PS na Assembleia da República, havia assinalado que a dívida, em finais de 2015, tinha alcançado os 234,4 mil milhões de euros!

Muitos foram os que, induzidos pela demagogia de Costa e suas muletas do PCP/BE/Verdes/PAN, acreditaram que tal seria um aumento meramente conjuntural, de fácil resolução, adoptadas que fossem as medidas e o programa que PS e essas forças parlamentares haviam cozinhado.

Nem o facto de os dados de Janeiro de 2016, comparados com igual período de Dezembro de 2015, revelarem um crescimento de 3,3 mil milhões da dívida, isto é, uma tendência prenunciadora de que, tal como sempre afirmámos, esta dívida não só não cessará de crescer como é, propositadamente... IMPAGÁVEL!, provocou nesta gente sem programa nem, muito menos, escrúpulos políticos, um momento de lucidez.

Para quem assinalou que esta maioria de esquerda constituía uma vital necessidade para que houvesse uma radical mudança de políticas e para que a aposta no crescimento e no emprego fossem finalmente ganhas e as políticas de austeridade promovidas pela tróica germano-imperialista - e caninamente impostas pelo anterior governo de traição
nacional de Passos e Portas, tutelado pelo imbecil de Boliqueime, tombassem -, aí estão os números que comprovam que a permanência no euro e a manutenção de Portugal no espaço europeu - onde tratados como os da união bancária e orçamental, entre outros, retiram a soberania a qualquer estado que a eles se submeta, sobretudo os de economia frágil e aberta, como Portugal -, não possibilitam outra coisa que não a prossecução da venda a pataco dos nossos mais preciosos activos, a preços de saldo e prossiga a destruição do que resta do nosso tecido produtivo.

Apesar de, como folgam dizer os economistas, politólogos, analistas e especialistas do sistema, se verificar um congelamento quanto aos números do desemprego em Portugal, o que é certo é que, entre: 

·        desempregados oficiais – 620.400 , 
·        desencorajados – 242.900, 
·        subempregados - ocupados IEFP – 158.000,
·        aos quais se tem de adicionar mais de 450.000 trabalhadores forçados a emigrar,

o número real de desempregados é de mais de 1.714.100 !!!

Agora, que já vão longe as sucessivas alusões ao milagre económico e ao alegado termino da condição de protectorado a que Portugal esteve sujeito, que constituíam, segundo Coelho e Portas, e o seu tutor Cavaco, a autêntica falácia e desesperada tentativa de mistificar a situação de que as medidas terroristas e fascistas que o governo de traição nacional aplicava contra o povo português, os oportunistas dessa esquerda formal procuram novas desculpas para justificar as razões porque não se tem produzido a anunciada redução, quer do défice, quer da dívida.

Desde logo, o estafado argumento a que todos eles – PS, PSD e CDS – deitam mão, numa tentativa desesperada de alienar o povo e mistificar as verdadeiras causas – aquilo que foi escondido ou escamoteado nas contas dos governos anteriores!

É hoje uma evidência que, desde que se iniciou a execução do plano de reajustamento, que era suposto fazer reduzir a dívida e o deficit do país, ambos os factores não tem parado de aumentar, sendo certo que no final de 2015 a dívida foi muito superior a 134% do Produto Interno Bruto (PIB), sendo agora uma realidade insofismável, que o deficit de 2016 ultrapassou os 140%!

Desde que em 2011 PS, PSD e CDS assinaram o Memorando de Entendimento com a tróica  que vimos a denunciar o facto de que o pacto que ele representava iria agravar e exponenciar a condição de  Portugal como protectorado ou colónia do imperialismo germânico e que, enquanto se persistisse no objectivo de pagar uma dívida ilegítima, ilegal e odiosa, nunca Portugal poderia ver-se livre dessa humilhante condição para a qual aqueles traidores e vendidos atiraram o país e o povo português.

Isto porque, como também sempre denunciámos, a dívida cujo pagamento estão a impor, a ferro e fogo, ao povo português, para além de não ter sido contraída por ele, nem o povo dela ter retirado qualquer benefício, mais não é do que a consequência e o corolário de uma política que os serventuários Sócrates, Cavaco, Coelho e Portas aceitaram e que assentou, e continua a assentar,  na aceitação da destruição do nosso tecido produtivo, da venda a retalho de activos e empresas públicas estratégicas e de uma cada vez maior dependência do exterior.

Política que prosseguirá, e até se agravará, tudo indica, se a esquerda parlamentar, mesmo que formal, não entender que, enquanto Portugal estiver refém da dívida, manietado na sua soberania por tratados iníquos e sujeito a uma moeda como o euro – o marco alemão travestido, uma evidência que já poucos negam – é a quadratura do círculo a que está a sujeitar a classe operária, os trabalhadores e o povo português.

A dependência do exterior a que Portugal está cada vez mais sujeito, traduz-se no facto de termos, hoje, com o nosso tecido produtivo destruído, que importar mais de 80% daquilo de que necessitamos para satisfazer as necessidades básicas do povo e, simultâneamente, gerar economia, o que levará, sem apelo nem agravo, a que o ciclo de endividamento se reproduza ininterruptamente, de forma sempre crescente. O que, a par do agravamento dos juros faraónicos que a tróica germano-imperialista e os grandes grupos financeiros e bancários – com os alemães à cabeça – impõem, tornará a dívida, para além de crescente… IMPAGÁVEL!
 
A dívida impagável e a condição de protectorado perpétua! Isto porque, mesmo que se acreditasse em milagres divinos e a dívida – em parte ou na totalidade – viesse a ser paga, a condição de protectorado para a qual os sucessivos governos PS e PSD, acolitados pelo CDS,  atiraram Portugal – e que, pelos vistos, a nova maioria de esquerda insiste em replicar e legitimar - permanecerá inalterada por virtude do tão elogiado Tratado de Lisboa que visa criar o famigerado governo económico europeu!

Numa conjuntura em que António Costa e o PS tentam aparecer como paladinos do desenvolvimento e do emprego, da justiça social, da defesa do SNS e do sistema público de educação, é bom lembrar os mais esquecidos que quem preparou, apadrinhou e aportou novas e criativas propostas para o Tratado de Lisboa  foi precisamente Sócrates e o PS , tratado que, tanto quanto se sabe, Costa nunca fez menção de dizer que pretende denunciar e, muito menos, revogar. Bem pelo contrário, não se cansa de afirmar o respeito pelos compromissos!

Convém também recordar que PS, PSD e CDS, aceitaram os pressupostos desse autêntico pacto de traição nacional, o Tratado Orçamental , um mecanismo que obriga todos os estados membros, particularmente os que aderiram à zona euro, a incorporar nas suas constituições a possibilidade de ser um organismo externo ao seu país, o tal governo económico europeu, a definir a política orçamental de cada um desses países e a tornar meros serventuários dos ditames do directório europeu - onde a potência dominante é a Alemanha - os governantes de cada um deles, autênticos tiranetes e traidores nacionais.

O espectáculo da chantagem e pressão exercida pela Comissão Europeia sobre a Lei do Orçamento para 2016 e, mais recentemente, sobre a Lei do Orçamento para 2017, é paradigmático dessa sujeição, dessa capitulação a uma política orçamental – e não só – ditada, não pelos interesses e necessidades do povo português, mas antes pela estratégia e pelos interesses de uma potência como a Alemanha.

Convirá recordar, ainda, que para além da perda de soberania orçamental, a apressada proposta levada ao Parlamento Europeu pela deputada do PS, Elisa Ferreira, de votação de um tratado sobre a união bancária europeia –  que sujeitou Portugal a servir de cobaia,  com o desmantelamento do Grupo GES/BES e da separação do banco mau do banco bom,  o Novo Banco, que muita tinta ainda fará correr e, também, com a resolução do BANIF-, estes miseráveis traidores aceitaram que a banca portuguesa perdesse a pouca autonomia e independência que lhe restava e o sistema bancário português passasse a ser uma mera correia de transmissão dos interesses do Deutsh Bank ou do BCE que por ele é dominado.


E para que a sujeição colonial ficasse completa, PS, PSD e CDS, aceitaram, também,  a imposição ao povo português da adesão de Portugal ao euro. Com a consequente perda de soberania cambial. A sujeição de uma economia frágil e fragilizada pela destruição maciça do seu tecido industrial – ditado pelos sucessivos acordos que aqueles partidos subscreveram, primeiro com a CEE e, depois, com a União Europeia -, a uma moeda que mais não é do que o marco travestido de euro, uma moeda forte como convém a uma potência como a Alemanha, não permite a Portugal utilizar os mecanismos de valorização ou desvalorização da moeda conforme melhor satisfizesse os seus interesses económicos e financeiros.

Neste contexto, a dívida é a argamassa ou o cimento que molda a estrutura da dominação colonial, composta, por um lado, pela capacidade que este governo económico europeu tem em impôr a política orçamental a todos os países que subscreveram o Tratado de Lisboa e, por outro, pelo marco travestido de euro que rouba a autonomia da política cambial que melhor pudesse servir os interesses de cada um desses países. Todos eles instrumentos de domínio e chantagem manipulados por uma potência com um superavit industrial e financeiro resultante, precisamente, da estratégia que conseguiu impôr aos outros países europeus, de destruição dos seus tecidos produtivos – a Alemanha que consegue, sem disparar um único tiro o que Hitler não conseguiu: dominar e subjugar a Europa e posicionar-se como potência mundial de referência!

É por isso que defendermos na altura – como continuamos a defender hoje - que não bastava congregar todas as forças democráticas e patrióticas para  derrubar  o governo de Passos e Portas, tutelado por Cavaco.  Marcelo, por mais imbecis que sejam os momentos de afecto que protagonize, não tomou uma única posição ou defendeu uma única medida que defenda os interesses de quem trabalha.

É cada vez mais claro que não será suficiente o repúdio do pagamento desta dívida. O governo que resultar da unidade dessas forças democráticas e patrióticas terá de assegurar - para além da definição e execução de um plano económico e financeiro rigoroso, que defenda os interesses do povo português e a soberania nacional -, que se rompa com o colete de forças que constituem os instrumentos responsáveis pela perda de independência nacional e pelo agravamento das condições de vida do povo, isto é, a dívida, o euro, a Unidade Europeia e os tratados que ela tem vindo a impor para sujeitar e colonizar o povo português!

É, pois, uma traição a esta expectativa propor a renegociação da dívida. Tal exigência visa criar junto dos trabalhadores a ilusão de que é possível, no quadro de um sistema que levou à formação da dívida e à imposição do seu pagamento a quem dela não retirou qualquer  benefício, uma solução que sirva os seus interesses. E não é!



2 comentários:

  1. More than 900 children killed in Afghanistan in 2016, according to United Nations

    The nearly 25 percent increase in child deaths from the previous year was largely caused by mines and munitions left over from decades of conflict


    http://www.denverpost.com/2017/02/06/afghanistan-children-killed-united-nations/

    ResponderEliminar
  2. https://pt-pt.facebook.com/noticiasdeseia/posts/1308026292587561

    Os trabalhadores estão a fazer voluntariamente turnos de 10 e 12 horas de trabalho para tentarem cumprir o objectivo. Mas mesmo que o consigam cumprir, nada garante que a principal Unidade fabril de Seia resista aos tempos e aos preços baixos das matérias primas e ordenados que se praticam noutros países.
    Volker Kolossa tem sido um verdadeiro Herói na nossa cidade. Outro que não tivesse o seu brio e o Amor à nossa Terra, há muito teria baixado os braços desistindo de lutar.
    E a ARA teria fechado portas há anos.
    A verdade é que contra a força não há resistência e as empresas existem para gerar riqueza. Não para a perder.
    E se nenhum "milagre" surgir, nada de animador se prevê para a permanência da ARA em Seia.

    ResponderEliminar