domingo, 8 de julho de 2018

Só a luta pela reposição das 35 horas semanais pode salvar o SNS!




Durante o governo de coligação entre a direita e a extrema direita foi decidido – em nome do pagamento de uma dívida que não foi contraída pelos operários, pelos trabalhadores e pelo povo em geral -, entre outras medidas fascistas, aumentar o horário de trabalho na área da saúde das 35 horas semanais então praticadas, para as 40!!!

O efeito devastador foi imediato. E foi o pretendido por Passos e Portas, com a cumplicidade e tutela de Cavaco. Por um lado, a redução do número de trabalhadores, já que com o mesmo número se podiam assegurar mais horas, mais turnos, e menos “despesa”, traduzida na redução de horas extraordinárias!
 
Ou seja, bastava aumentar a carga horária para assegurar, com a “prata da casa”, o tão almejado “aumento de produtividade”.

Para além disso, este roubo do trabalho e do salário, a par da destruição sistemática do SNS, assegurava melhores dias para os sistemas privados de saúde, incluindo o negócio cada vez mais florescente dos seguros de saúde.

Se já era notória a necessidade de contratação de novos médicos, enfermeiros e demais profissionais da saúde, com a retoma, no passado dia 1 de Julho de 2018, da semana das 35 horas, essa necessidade exponenciou!

Exige-se a contratação de milhares de enfermeiros, de médicos, de trabalhadores para as áreas de diagnóstico e terpêutica, etc., para que o SNS assegure, no mínimo, a resposta de cuidados de saúde que prestava antes do aumento da carga horária imposta pelo governo PSD/CDS-PP, a mando da tróica germano-imperialista.

Agora que, encurralado pela luta de médicos, enfermeiros e restantes profissionais do sector da saúde, o governo de António Costa – que resistiu enquanto pode – foi obrigado a aceitar a retoma das 35 horas, há que levar mais longe esta luta.

É que, revelando o seu oportunismo reaccionário, António Costa e as suas muletas do PCP/BE e Verdes, enquanto parecem congratular-se com a reposição da semana das 35 horas semanais no sector da saúde, prosseguem, no entanto, a sua política de priviligiar o pagamento de uma dívida da qual o povo não retirou qualquer benefício, nem dela foi responsável,  como se pode comprovar pela Lei do Orçamento para 2018 – política que certamente será prosseguida em 2019!
Para pagar os 9 mil milhões de euros anuais, somente do “serviço da dívida” – isto é, fundamentalmente juros -, Centeno assegura haver sempre dinheiro disponível. Isto é, para pagar os calotes da banca e à banca, fruto do compadrio e corrupção dominantes, o governo de António Costa e suas muletas abrem os cordões à bolsa!

Para assegurar uma prestação de cuidados de saúde eficaz, digna e gratuita para o povo, Centeno vale-se do truque oportunista e reaccionário das “cativações” orçamentais! Fazendo-se eco das vozes que vão, à boca cheia e às claras, afirmando que só é possível reduzir o horário das 40 para as 35 horas se os profissionais da saúde aceitarem a redução dos seus salários e a precariedade do seu trabalho.
Para fazer face, quer à necessidade de consolidar a conquista que representa a retoma da semana das 35 horas, quer aos contra-ataques que se começam a desenhar contra este seu direito, os diferentes sectores de profissionais da área da saúde devem unir-se e impor uma GREVE GERAL do sector, com objectivos bem definidos:

1.       Rejeição das horas extrordinárias obrigatórias que o governo PS deseja implementar;
2.       Contratação imediata dos milhares de Médicos, Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos de Diagnóstico e de Terapêutica, bem como de outros profissionais da área da saúde;
3.       Fim imediato da precariedade;
4.       Negociação imediata de novas tabelas salariais;
5.       Bem como da progressão das carreiras;
6.       Defesa da Contratação Colectiva.

Capacitem-se! Os únicos interessados na manutenção e consolidação do SNS são os profissionais de saúde, em unidade com aqueles que aos seus serviços recorrem, isto é, os operários, os trabalhadores, o povo em geral!

2 comentários:

  1. Portugal is the Biggest Racist country that i have ever lived in. I feared for my life there and i consider myself lucky that my family got out alive! I have never lived in such poverty (Sopas dos Pobres everyday) 40% unemployment rate and 60% of the population earn less than $932 USD per month, and that's considered Middle Class here! Within the European Union it is the worst of the worst place to live.

    The bottom line is the bulk of the People in our poor country exist in a brainless comma that is fed by Ignorance, anti-Spanish hate, and severe Racism of pretty much everybody that isn't Portuguese! And, Portugal started the Global Slave Trade in 1441 so it is definitely NOT a safe place for Blacks!!

    I found important websites that explain the Severe multi-generational Racism and Hate that exist in Portugal today, and i highly encourage all to read them and spread the word in order to avoid innocent, and desperate people from living or visiting there. Get educated on the Truths about Racist Portugal now.



    1) https://www.theroot.com/a-white-journalist-discovers-the-lie-of-portugal-s-colo-1790854283

    2) https://saynotoracistportugal.neocities.org/

    3) http://www.discoveringbristol.org.uk/slavery/routes/places-involved/europe/portugal/

    4)SOPAS DOS POBRES EVERYDAY IN PORTUGAL BECAUSE OF NON EXISTENT ECONOMY:

    https://www.noticiasaominuto.com/pais/764453/sopa-dos-pobres-foi-criada-ha-anos-mas-ainda-existe-problemas-persistem

    5) http://www.ipsnews.net/2011/10/portugal-crisis-pushes-women-into-prostitution/

    6) https://www.theatlantic.com/business/archive/2013/06/the-mystery-of-why-portugal-is-so-doomed/276371/


    Be SAFE friends. Hugs.

    ResponderEliminar
  2. Trabalhar quatro dias por semana “é um objetivo do século XXI”
    A semana de quatro dias de trabalho é um objetivo que deve ser alcançado até ao fim do século XXI, defende a federação sindical britânica.

    No discurso que assinala os 150 anos da Federação de Sindicatos do Reino Unido, a secretária-geral defende que a semana de quatro dias de trabalho é um objetivo realista que deve se alcançado no século XXI.

    Frances O’ Grady acredita que os avanços tecnológicos permitem que este objetivo seja cumprido. “No século XIX, os sindicatos lutaram por uma semana de trabalho de oito horas. No século XX, ganhámos o direito a um fim-de-semana de dois dias e a férias pagas”, começa por explicar.

    “Por isso, no século XXI, vamos ambicionar mais. Acredito que neste século poderemos ganhar a semana de quatro dias, com pagamentos decentes para todos. É tempo de partilhar a riqueza gerada pelas novas tecnologias, e não de permitir que só os que se encontram no topo se aproveitem dela”, afirma, citada pela revista Sábado.

    ResponderEliminar